Sicoob
? ºC Cuiabá - MT

24 de março de 2019 - 20:55

Mundo

07/01/2019 09:56

Juiz dos EUA restringe provas sobre glifosato

A Bayer nega as alegações de que o glifosato causa câncer por falta de base científica
 

O juiz distrital dos Estados Unidos Vince Chhabria, em San Francisco, emitiu uma decisão que pode restringir severamente algumas supostas provas consideradas cruciais no processo em que o glifosato é acusado de causar câncer. Nesse cenário, o juiz deferiu à Bayer o pedido da Monsanto para dividir um julgamento em duas fases. 

 

A ordem se aplica ao chamado caso de Hardeman, que deve ir a julgamento no dia 25 de fevereiro, e dois outros julgamentos que ajudarão a determinar a faixa de danos e definir opções de acordo para o restante dos 620 casos do Roundup. Os advogados de Hardeman alegaram que tais provas, incluindo documentos internos da Monsanto, mostravam uma conduta questionável da empresa. 

A Bayer nega as alegações de que o glifosato causa câncer, afirmando que décadas de estudos independentes mostraram que o herbicida mais usado no mundo é seguro para uso humano. Por outro lado, a empresa enfrenta mais de 9.300 ações judiciais nos EUA por causa da segurança do Roundup nos tribunais estaduais e federais em todo o país. 

 

Aimee Wagstaff, um dos advogados de Hardeman, disse em comunicado que estava confiante de que os jurados achariam que o Roundup causou o câncer do homem e prosseguiu para a segunda fase. Eles também se opuseram a propostas para dividir o julgamento, alegando que suas evidências científicas supostamente mostrando que o glifosato causa câncer estavam “inextricavelmente” ligadas à suposta conduta indevida da Monsanto. 

A Bayer também pediu que algumas das evidências dos demandantes sobre a causa, especificamente uma afirmação da unidade de câncer da Organização Mundial de Saúde de que o glifosato é "provavelmente cancerígeno", seja excluída na primeira fase porque não tem base científica.